AB Geral

Dieta rica em fibras beneficia

Uma dieta rica em fibras integrais e um determinado grupo de bactérias que acompanha esse tipo de alimentação podem ajudar pessoas com diabetes tipo 2 a controlar a doença. Dados da Organização Mundial da Saúde mostram que há cerca de 422 milhões de pessoas no mundo com a doença, o que representa cerca de 6% da população. O número de casos tem crescido ao longo dos anos. Atualmente o tipo mais comum de diabetes é o 2, do qual trata o estudo publicado recentemente na revista Science. 

Há uma forte ligação desse tipo de diabetes, que é causado pela crescente resistência do corpo à insulina - hormônio que sinaliza para o corpo capturar o açúcar que circula pelo sangue - ou à produção reduzida dela, com envelhecimento, obesidade e sedentarismo, entre outros fatores. 

Dessa forma, a alimentação é um dos "fronts" estudados por pesquisadores para combater o diabetes tipo 2. Com o objetivo de auxiliar na escolha de terapias mais efetivas, recentemente pesquisadores indicaram que o diabetes deveria ser dividido em cinco tipos. 

No novo estudo da Science, cientistas chineses forneceram uma dieta rica em fibras para um grupo de pacientes diabéticos do tipo 2. Outro grupo de pacientes com a mesma condição seguiu uma dieta padronizada e comumente recomendada. 

Com a ideia de ativar a flora intestinal, ambos os grupos tomavam um medicamento para retardar a digestão dos carboidratos, fazendo com que ela ocorresse mais intensamente no intestino grosso - onde a presença de bactérias é maior. 

Os pesquisadores verificaram que em ambos os grupos houve ganhos no controle do diabetes, como melhora em exames de sangue que medem a taxa de açúcar no organismo. Os benefícios foram maiores, no entanto, no grupo que seguia a dieta rica em fibras. 

"Há uma hipótese de que o tipo de flora intestinal que temos pode influenciar no aparecimento do diabetes", afirma João Salles, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes, que não participou da pesquisa. "No estudo foi feita uma modulação da flora para se ter uma maior porcentagem de bactérias que produzissem ácidos graxos de cadeia curta." 

Esses ácidos graxos, de forma geral, estão ligados ao aumento da produção de proteínas, como a GLP-1, que por sua vez estimula a produção de insulina. Para demonstrar que os ganhos - inclusive aqueles relacionados à glicemia em jejum e ao emagrecimento - estavam associados ao aumento das bactérias produtoras de ácidos graxos de cadeia curta, os pesquisadores transplantaram os micróbios dos pacientes humanos para camundongos "germ-free" (sem germes, em tradução livre). 

O transplante de fezes, como é popularmente conhecido, vem sendo associado a tratamentos de diversos problemas de saúde, como infecções persistentes pela bactéria Clostridium difficile, doença de Crohn e até mesmo obesidade. Os efeitos positivos encontrados em humanos se repetiram nos roedores, com menores taxas de açúcar no sangue naqueles que receberam a microbiota das pessoas que seguiram a dieta rica em fibras. 

 

(Phillippe Watanabe - Folhapress - Folha de Londrina)

Todos os direitos reservados | © 2018 | AB
desenvolvido por